Autismo: Vereador Pastor Diego defende a criação de políticas públicas inclusivas

por Lucivânia Pereira, Assessoria de Imprensa do Parlamentar — publicado 02/04/2024 14h04, última modificação 02/04/2024 14h04
Autismo: Vereador Pastor Diego defende a criação de políticas públicas inclusivas

Foto: Gilton Rosas

Construir um mundo mais inclusivo e compassivo está entre as premissas do vereador Pastor Diego (PP). Nesta terça-feira, 2 de abril, Dia Mundial de Conscientização do Autismo, o parlamentar reitera seu compromisso com o bem-estar das pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) na cidade de Aracaju. Com uma visão clara de que a inclusão é um direito fundamental, ele tem contribuído na formulação e implementação de políticas públicas. 

Sua mais recente conquista foi a aprovação do Projeto de Lei que estabelece diretrizes para a formulação da Política Municipal de Atendimento Integrado às Pessoas com TEA na capital sergipana. Essa iniciativa - pioneira no âmbito municipal - visa criar um ambiente acolhedor e inclusivo para os neurodivergentes, oferecendo serviços e suporte adequados às suas necessidades específicas. 

Além disso, Pastor Diego também se empenhou na aprovação e criação da lei que dispõe sobre a reserva de vagas de estacionamento para pessoas autistas. A medida visa facilitar o acesso a espaços públicos, proporcionando maior acessibilidade e comodidade no cotidiano daqueles que lidam diariamente com as questões do autismo. 

“Estamos trabalhando constantemente para que haja um tratamento específico no ambiente escolar, um acompanhamento adequado na área de saúde e que tenhamos instrumentos legais que facilitem a inclusão. Sabemos os desafios que existem em tirar uma pessoa autista de sua rotina para qualquer outra atividade, por mais simples que ela seja. Então, tem que existir essa compreensão”, disse. 

O vereador Pastor Diego enfatiza a importância de difundir informações precisas sobre o autismo para sensibilizar a população e promover uma cultura de inclusão e aceitação. “Nossa sociedade precisa dessa conscientização, de como cuidar, acolher, tanto a pessoa autista como sua família. Sendo assim, é imprescindível a criação de políticas públicas para que, de fato, a conscientização e inclusão aconteçam de verdade”, completou.