Procuradorias da Mulher da CMA e da Alese se reúnem para trocar experiências

por Agência Câmara Aracaju — publicado 24/11/2021 21h55, última modificação 25/11/2021 00h12
Procuradorias da Mulher da CMA e da Alese se  reúnem para trocar experiências

Foto: César de Oliveira

Na manhã desta terça-feira, 23, integrantes da Procuradoria da Mulher da Câmara Municipal de Aracaju (CMA) e da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) reuniram-se para trocar experiências.

A procuradora da mulher, Emília Corrêa, ressaltou a importância do trabalho em conjunto para que de fato a entidade funcione. “A pauta da mulher só trabalha em rede mesmo e sempre sincronizada, além disso, precisamos assegurar os direitos da mulher”, disse.

A procuradora acrescentou que é importante que a equipe da Câmara entre em contato com órgãos como a Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça (TJ-SE), Defensoria Pública, Delegacia da Mulher e Secretarias de Inclusão.

Atenta às necessidades das mulheres, a subprocuradora da Mulher, Sheyla Galba (Cidadania), sugeriu reuniões com conselhos tutelares. “Será mais uma aliança, para as pessoas saberem que tem uma procuradoria da mulher na Câmara Municipal de Aeacaju”, afirmou.

A equipe da CMA, formada pelas assistentes sociaisl, Eliane de Jesus e psicóloga, Manuela Guedes, fez alguns questionamentos e demonstraram interesse em conhecer a parte prática do funcionamento da procuradoria. “O momento é de colher informações”, acrescentou Eliane.

Implantada a mais tempo, a Procuradoria da Mulher da Alese se colocou à disposição da Câmara para ajudar no que for necessário para colocar o projeto em prática.Segundo a assistente social da Alese, Marjana Almeida, apesar de ser uma entidade bem articulada, ainda está recebendo poucas demandas de mulheres devido à pandemia do Coronavírus. “Estamos precisando divulgar mais nosso trabalho para que chegue até as mulheres que precisam”, disse. Marjana acrescentou que os encaminhamentos são feitos de acordo com as demandas e o trabalho sempre em conjunto com a rede de apoio.

A assessora técnica da Procuradoria da Alese, pós graduada em direitos das mulheres, Amanda Oliveira, concordou que devem ampliar a divulgação, principalmente no interior do estado, para que o suporte chegue às mulheres vítimas de violência. “Agora que a pandemia está mais estabilizada, podemos fazer reuniões presenciais com associações de bairros”, exemplificou.

Sobre ampliar a divulgação do trabalho da Procuradoria, a diretora de Comunicação da Câmara, Eliz Moura, sugeriu a criação de um cronograma de entrevistas em programas de TV e rádio, além de divulgação em redes sociais. “Dia 25, será lançado o portal da Procuradoria da Mulher para que o público tenha acesso e servirá para impulsionar nesse primeiro momento”, informou. Além disso, Eliz falou da possibilidade de promover workshops, seminários e reuniões presenciais ou não.

Presenças

Também participaram da reunião, a assessora jurídica da Câmara, Evellyn Ribeiro e assessora da vereadora Sheyla Galba, Elaine Oliveira e assessorias de Emília Corrêa, Byanka Godolphim e Andrea Lima.