Elber diz que Edvaldo Nogueira criou um caos na saúde de Aracaju

por Luciana Gonçalves, Assessoria de Imprensa do parlamentar — publicado 21/02/2019 15h49, última modificação 21/02/2019 15h49
Elber diz que Edvaldo Nogueira criou um caos na saúde de Aracaju

Foto: Gilton Rosas

O vereador Elber Batalha (PSB) utilizou a tribuna da Câmara Municipal de Aracaju na manhã desta quinta-feira, 21.02, para fazer duras críticas ao modo que o prefeito Edvaldo Nogueira privatizou a saúde do município.
Elber fez uma linha do tempo para explicar toda essa questão da privatização do Nestor Piva. Ele relatou que Edvaldo chegou ao governo Municipal, os médicos recebiam r$120,00 por hora no plantão. Com o tempo, esse valor foi diminuído para r$100,00, chegando ao irrisório valor de r$75,00 e transformou o pagamento dos médicos pela pejotização. “No dia 29 de dezembro, faltando 3 dias para o fim do ano, a secretária Waneska Barbosa impõe que a partir de 1º de janeiro ninguém receberia mais caso não tivesse o CNPJ, além de baixar a hora trabalhada para r$75,00, o médico precisaria tirar a nota fiscal e pagar todos os impostos. Na prática, Edvaldo Nogueira, em dois anos, reduziu o salário dos médicos plantonistas para r$65,00, que é o valor que vai sobrar depois dos impostos recolhidos”, explicou.
Na opinião do vereador, tudo isso aconteceu premeditadamente para que os médicos não aceitassem essas condições de trabalho e o prefeito Edvaldo Nogueira conseguisse privatizar os serviços da saúde de Aracaju. “Ele gerou uma pseudo situação de emergência e, de uma hora para outra, aparece uma empresa do nada. Contrata uma empresa por r$2 milhões de reais por mês, sem licitação, ou seja r$67 mil reais por dia”, disse.
Continuando sua explanação, Elber explicou que a empresa contratada por Edvaldo Nogueira passou a administrar o Hospital Nestor Piva já no dia 6 de janeiro, porém, o prefeito, no dia 10 de janeiro transformou esse hospital em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). “Acontece que hospital tem vários serviços que uma UPA não pode suprir. Edvaldo deu um contrato a empresa para administrar um hospital e que, na verdade, a unidade é uma UPA. Fora dizer que o contrato social dessa empresa é de apenas r$20 mil reais para administrar um contrato de r$2 milhões.”.
Elber salientou que, se a vontade do prefeito era transformar o Hospital Nestor Piva em UPA, não precisaria toda a discussão gerada com os médicos, já que os quadros para o funcionamento de uma UPA é bem inferior que um hospital. “Os quadros do município tinham médicos suficientes para funcionar como UPA. Outra pergunta é que já que o problema era com somente com os médicos, porque terceirizar todos os outros serviços? Todos os profissionais concursados daquela unidade foram penalizados com essa ação orquestrada pelo prefeito Edvaldo Nogueira”, lamentou.
Outra denúncia feita pelo parlamentar diz respeito aos insumos do hospital. Elber afirma que a empresa contratada está se utilizando de materiais e até de ambulâncias com total anuência da Prefeitura de Aracaju. “Recebi uma ligação de uma servidora que trabalha do Fernando Franco e que recebeu ordens da Secretaria Municipal de Saúde para que deixasse a ambulância de lá à disposição do Nestor Piva porque a empresa ainda não tinha adquirido uma. E o detalhe: essa empresa agora passou a pagar os r$120,00 a hora trabalhada, mas a prefeitura diretamente não pagava. Não tenho dúvida todo o caos de emergência criado por Edvaldo Nogueira foi única e exclusivamente para beneficiar essa empresa e prejudicar claramente a população “, afirmou.
“Vamos propor a este parlamento a instalação de uma CPI para investigar este contrato. Já temos um calhamaço de documentos que irão embasar este pedido de CPI. Se quer privatizar, talvez até a lei permita. Agora assuma o ônus da posição privativista, não venha colocar a política de privatizar nas costas da classe médica. Edvaldo Nogueira quer ser um direitista disfarçado de comunista, com discurso de esquerda, mas com práticas de extrema direita. Não dá para servir a Jesus e ao demônio”, ironizou.