Camilo Lula comemora aprovação de entrega do título de cidadão a Fernando Haddad

por Assessoria de Imprensa do parlamentar — publicado 27/06/2019 15h15, última modificação 27/06/2019 15h12
Camilo Lula comemora aprovação de entrega do título de cidadão a Fernando Haddad

Foto: Gilton Rosas

Na última terça-feira, 25, a Câmara Municipal de Aracaju (CMA) aprovou a indicação do vereador Camilo (PT), para que o ex-candidato à presidência da república, Fernando Haddad, receba o título de cidadão aracajuano. 

Na ocasião o parlamentar falou sobre a importância de Fernando Hadddad para a Educação no Brasil e lembrou que ele foi um dos responsáveis pela expansão da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e esteve presente na inauguração do Campus da UFS de Laranjeiras em junho de 2009. 

“Fernando Haddad tem uma atuação histórica na expansão do ensino no Brasil, desde as bases até as universidades, o ex ministro contribuiu para mudar a Educação no Brasil e é mais do que justo que concedamos esse título a ele, pois a nossa UFS é o que é hoje pela atuação de Haddad, então esse título vem como um reconhecimento a sua luta em defesa da Educação, essa pasta que vem sendo desmontada pelos governos posteriores aos governos do de Lula e de Dilma”, afirmou o vereador. 

Em defesa da Educação 

Quando foi ministro da Educação, no governo Luís Inácio Lula da Silva, Haddad estabeleceu uma série de ações da pré-escola a pós graduação para mudar a realidade brasileira através da educação. Por ocasião da implementação do programa Universidade Aberta, mais de 15 municípios sergipanos tiveram acesso ao ensino superior gratuito. 

Implantou diversos programas para fortalecer a educação pública brasileira e a população aracajuana foi contemplada com uma grande melhoria no sistema educacional do ensino básico ao nível superior, através da ampliação do FUNDEB, e da elevação do IDEB e crescimento exponencial do acesso ao nível superior, proporcionado a diversos jovens e crianças aracajuanas a possibilidade de sonhar com um futuro mais digno, impactando de forma significativa a realidade da cidade de Aracaju.

O homenageado


Fernando Haddad nasceu em São Paulo, no dia 25 de janeiro de 1963, Filho de Khalil Haddad e de Norma Thereza Goussain Haddad. Graduou-se em direito em 1985, concluiu mestrado em economia em 1990 e doutorado em filosofia em 1996. Todas essas atividades foram realizadas na Universidade de São Paulo (USP). Exerceu a advocacia, e a partir de 1990 foi professor de ciência política na USP.

Assume o Ministério da Educação em 2005 e propugnou uma visão integrada e sistêmica da educação, defendendo a igualdade em importância de todas as etapas do ciclo educacional. É o responsável por implementar o Programa Universidade para Todos (ProUni), o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), destinado a financiar através da Caixa Econômica Federal (CEF) a educação superior de estudantes de baixa renda matriculados em instituições privadas de ensino superior. 

Haddad participou diretamente da articulação para a aprovação pelo Congresso Nacional do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). O novo fundo permitiu consolidar um repasse maior de recursos para a educação básica (da creche ao ensino médio) aos estados e municípios. Lançou o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), conjunto de mais de quarenta ações com o objetivo de melhorar as condições do ensino público, elaborado com a participação de setores da sociedade civil, profissionais de ensino e especialistas.

O lema do programa, “da creche à pós-graduação”, reafirmou a visão “sistêmica” propugnada pela gestão de Haddad e anteriormente pela de Genro. O PDE foi logo considerado como o “PAC da Educação”, numa referência ao Plano de Aceleração do Crescimento implantado pelo governo federal para impulsionar iniciativas de infraestrutura nacional. Sob a gestão de Haddad na pasta ministerial, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tornou-se principal referência para a aprovação de candidatos no sistema universitário, apontando na direção de uma possível transformação em longo prazo do modelo vigente até então, baseado nos vestibulares.